um blog de inspirações e expirações

8.10.11

vermelho vintage



Falando nisso, coisas que acontecem, não tem me acontecido nada ultimamente. Nem bom nem ruim marasmo eterno, bem assim. Eu queria que me acontecessem muitas coisas, mas enquanto nada muda, continuo aqui deitada nessa cama com os pés e os olhos voltados para o teto. Ruim é que esta posição me dá preguiça, meus pés estão apoiados confortavelmente na parede, os dedos das mãos entrelaçados nos cabelos da cabeça e os olhos no teto, na lâmpada do teto, na manchas pequenas e pretas do teto, na aranha pequena e preta do teto, e em sua teia na quina. Até meu teto é marasmo puro. Até meu teto é igual a todos os outros tetos que se veem por aí. Sou figurinha repetida, batida, surrada. Tem dias que imploro que este telefone vermelho vintage toque, nem que seja engano, a cobrar ou só uma mensagem gravada reclamando quase gentilmente pagamentos atrasados. Em parte é uma situação patética, mas por outro lado, nada mais é que uma habitual situação da vida humana. Mais, muito mais habitual do que se pensa. E como às vezes pensamos errado. Conjecturas piratas, fraudes. Como quando pensamos na solidão. Solidão substantivo assustador. Ninguém quer ficar sozinho, nem reconhecer que é sozinho. Mas basta seu bairro ter prédios altos. Se seu bairro tiver prédios altos, pernas que dobram a esquina com pressa, bocas que comem na barraquinha no meio da calçada, parabéns, você é um solitário. E dos bons. Uma vez li – ou sonhei? – que a solidão não tem tantas cabeças quanto dizem, que solidão até faz bem. Autoconhecimento ou algo do tipo. Meio riponga, né?

Nina descascou abraços, pág. 12

21 comentários:

  1. Nossa, adorei!
    Até queria que fosse de algum livro, só assim leria ele inteiro.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Lindo trecho.
    Teu blog tá lindo, layout mto bonito, leve e fotografias lindíssimas!
    Bjo

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Acho que a solidão só em bem-vinda quando estamos bem em ficar apenas com nós mesmos. Do contrário, tudo vira tortura. Adorei o texto, e a fotografia escolhida também é muito bonita. ^^
    Beijo!

    ResponderExcluir
  5. guardamos nossas energias para o q consideramos "grandes acontecimentos". mas um olhar mais cuidadoso pode revelar caminhos inusitados.

    um xero

    ResponderExcluir
  6. Ah, tem vezes que acho que minha vida é um marasmo tão grande que desisto de pensar no assunto pra não me frustrar, hahaha. Mas preciso comentar sobre o telefone, meu sonho é ter um desses vintage no quarto, hahaa.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Acordo assim também, invariavelmente. Ninguém me liga, ninguém quer falar comigo através desse Nokia 1105 modelo ultrapassado do início deste século. Aff. Nostalgia.

    ResponderExcluir
  8. Gosto tanto de fazer isso! Ficar de pernas e olhos pro ar, quero dizer. É confortável e pensar na vida, às vezes, faz bem. Planejar é legal. Minha vida é bem calma como a da sua personagem, mas não reclamo. Até gosto, sabe? Tenho tempo pra fazer as coisas que gosto e me dedicar às pessoas que amo.

    Eu já falei que adoro esse marcador dos fictícios? Quase certeza que já, mas repito: adoro os textos que você posta nessa categoria. O ruim é que me dá vontade de ler o livro inteiro, mas como é que faz se não existe? T-T

    Beijão!

    PS: queria um telefone desses antigos. São tão bonitos!

    ResponderExcluir
  9. Uau! Sabe o que eu mais gosto por aqui? O fato de nunca supor o que vou encontrar ao ver uma atualização sua realizada. Sempre um novo ângulo. E eu sempre leio sem pausa. No mais, cada um de nós é assim, sozinho. E a gente precisa disso. Faz bem. Eu quero acreditar que sim.

    ResponderExcluir
  10. nossa, incrível como o tempo pode passar e mesmo assim, passar por aqui sempre me deixa com um sorriso no rosto.
    sei lá, acho que é jeito como você escreve. não sei se já falei isso antes, mas me sinto numa conversa de fim de tarde, ouvindo uma história qualquer, que nem é tão qualquer assim, sempre inovando.

    e acho que quando se trata de solidão, há os solitários felizes e pessoas que precisam ficar mais tempo sozinhas pra entender um pouco mais sobre a vida.

    se cuida <3

    ResponderExcluir
  11. É engraçado, eu também fico deitada olhando pro teto.


    Adorei seu texto!
    Eu ficava esperando um celular tocar... =)

    Um beijo

    ResponderExcluir
  12. Eu sei oque é isso :/ as vezes essa solidão me traz a saudade também e mais uma mala de sentimentos.
    Como se já não bastasse um.

    http://reverseobrlife.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. As velhas sensações de sempre. Este arremate que a alma sente permeia de maneira quase teatral. Como você mesmo transmitiu. A verdade é que essas nuances são difíceis de serem caracterizados. O marasmo nos torna sós. As expectativas de algo que nunca vai encaixar no nosso querer. A vida segue outros roteiros. As pessoas seguem suas vidas. Tudo não dá a mínima para a gente. Dói porque aprendemos a querer o contrário. Quando na verdade nós é que devemos dar valor ao que nos cerca. O poder de apertar o interruptor é nosso.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. amei *-*



    seguindo o blog :)


    retribui?


    Kiss ^^


    seu comentário é fundamental!

    www.medicinepractises.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. amazing text.

    Não deixe a vida passar por você, passe você por ela.

    ResponderExcluir
  16. não, não é meio riponga, é meio Paçoca (:

    beijas, lindona ;*
    s2

    ResponderExcluir
  17. Se autoconhecimento é riponga, então sou hippie até meu último fio de cabelo.
    Adoro textos assim, viscerais, reais.

    Beijo

    ResponderExcluir
  18. Às vezes acho bom estar nesse "marasmo".

    ResponderExcluir
  19. proud of being riponga-vintag-saudosa também!
    lindo o teu blog! :)
    saudações da alice_

    ResponderExcluir

♥ Você pode comentar usando apenas seu Nome e Url: selecione a opção no menu suspenso "comentar como".

♥ Alguns comentários podem não ser aceitos, dependendo do cunho da mensagem. Seja gentil na blogosfera.

Obrigada por comentar. Sua visita e opinião são importantes para mim.
Volte sempre!

 
© 2009 - 2016 . todos os direitos reservados