um blog de inspirações e expirações

30.10.11

do verbo: desocupar o coração


Não sei bem, mas a solidão não parece tão assustadora agora. Confesso, com as bochechas coradas, que pensei que voltaria para casa, sentaria na cama com os pés descalços sobre a cerâmica fria, e começaria a sentir o tal buraco começando a se abrir. Pensei que escapariam todas as borboletas do estômago. Pensei até na cor que seria o cartaz do Procura-se as borboletas do meu estômago. Paga-se recompensa. Eu pensei um monte de coisas. Quer dizer, durante toda a semana eu já estava pensando um monte de coisas. Inclusive sobre a certeza que eu sempre tive desse apego volúvel que senti. Eu sabia que o amor (amor?) desaparecia no mesmo estalar de dedos com que tinha chegado. Pereceria, porque eu sei, é triste e é verdade: amor perece.

Mas ainda sim eu pensei que as bordas do sentimento começariam a se enrugar como um pedaço de papel no fogo, enegrecendo, contorcendo, ficando podre. Engraçado como me sei inconstante e eternamente esperançosa. Eu sabia, veja bem, SABIA mesmo assim em maiúscula que acabaria, eu sempre sei com essa certeza de quem se permite uns minutos mergulhado à própria solidão, vasculhando-se nos becos mais remotos de si mesmo, com redundância e todo vício que queira adotar, que chegaria ao fim mais rapidamente, tão rapidamente que mesmo sabendo, seria uma surpresa porque me depararia com um flash perdido por ter piscado os olhos. Pois então, sabia que findaria, mas foi surpresa e blá blá blá porque a esperança se disfarça de alguma outra sensação e consegue manter-se viva cá dentro. Sem saber, eu mantive esperanças, creio que sempre manterei, de um dia deparar-me com o engano de a vida inteira ter julgado a mim mesma erradamente. Assim: esperanças de não estar certa sobre mim mesma, de Meu Deus, sou mesmo essa pessoa que hoje olha apaixonadamente e se esforça e se desdobra e pede desculpas e pede não, vai não, e no dia seguinte está cheia de vazio, de desinteresse total? E começo a me sentir desprovida de caráter. Amo e desamo e amo e desamo e graças a deus você se desapega tão fácil. Inconstância, ora penso ser defeito. Nômade, sem casa, sem vínculos, sem raízes nem saudades. Ora penso ser qualidade. Menos choros, menos olhar perdido no horizonte branco manchado da parede, menos tristeza, menos melancolia, menos andar no meio de pessoas e sentir que falta alguma coisa. Tudo sempre tem dois malditos lados que nos força a brincar de circo: equilibra-te na linha tênue desses paradoxos da vida.

Então, eu pensei que sentiria o buraco abrindo, mas foi alarme falso. Eu senti um ruído, chacoalho e pronto. Parou. Início de incêndio rapidamente contido sabe-se lá por qual divindade que aparentemente está tão cansada quanto eu desse joguinho de azar que chamam amor. Ou seja lá o que for, eu uso a palavra amor porque só tem quatro letras e ocupa um espaço pequeníssimo. E a grandiosidade? Ah, a tal que dizem que o amor possui? Digamos que é melhor sobrar que faltar e fica tudo certo. Quanto ao resto, à ameaça de buraco se-abrindo-mas-opa-não-abriu, ao futuro, deixa vir. Aqui no cantinho, sem querer parecer prepotente, mas eu sinto muito orgulho de me achar corajosa. Porque eu me entrego sem esperar que dê errado. Provavelmente vai dar errado mesmo, mas vai passar. Me permito a verdadeira liberdade de viver agora porque o minuto seguinte, esse que vem, brilha tanto que não permite enxergar nada. Eu vivo essa vida de heroína de livro que se entrega sem receio dessas coisas que não continuam.

Agora me ocorre que maybe esse buraco realmente abra, mas não sei, está com preguiça de ser imediatamente? Se for, deixar ser, que seja, que venha, que arraste toda água, lama e pedregulho. E que eu chore, se tiver que chorar. Ou não, porque se prestar atenção, vai perceber como eu percebi que se importar demais com os detalhes corriqueiros - corriqueiros sim, porque acontece o tempo inteiro, caso você não tenha notado - é desperdício de força vital, mental e sentimental, claro. A solução é sair para dançar e se divertir, ou ficar em casa e tomar um sorvetinho, a escolha é livre, só a regra é fixa: deixar o tempo deslocar e decidir que vai ser feliz, mesmo com os habituais tropeços. Essa vida, começo a desconfiar que seja aquele amigo chato que faz brincadeiras de mau gosto e não percebe quando passou dos limites, mas que você continua aguentando mesmo assim.

Desapego, use sem moderação, ser feliz não espera.



"Coragem, às vezes, é desapego (...)
É aceitar doer inteiro até florir de novo.
É abençoar o amor, aquele lá, que a gente não alcança mais."
(Ana Jácomo)

28 comentários:

  1. Também não sou do tipo que não faz a coisa agora com medo de sofrer depois. Sou imediatista, sabe? Às vezes fico achando que devia pensar mais nas consequências de algumas coisas antes de fazê-las, hehe..

    ResponderExcluir
  2. Estou desde o começo do ano tentando me desapegar de algumas coisas. E o pior é que estou conseguindo. Belo blog!

    ResponderExcluir
  3. Novas Edições , venha conferir :)

    http://atras-do-pensamento.blogspot.com/2011/10/edicoes-da-semana-3110-1311.html

    Obrigada, Pamela.

    ResponderExcluir
  4. Adorei a imagem que ilustra o texto, principalmente o 'sou sua pessoa amada por 3 dias', muito bonitinha de se pintar em um muro - diferente daqueles desenhos sem sentido. Enfim, queria ser mais assim, me entregar sem ter medo das consequências. Mas causos passados me deixaram com estigma que isso não funciona para todos. De qualquer maneira, desapegar é fundamental: abre espaços para novas coisas boas. :)
    Beijo!

    ResponderExcluir
  5. Ameio o texto !
    seguindo Linda
    beijos uma abençoada terça
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Desapego é sempre o primeiro passo pra felicidade...

    ResponderExcluir
  7. Gaaaaabs, como o layout tá lindo. valeu a pena esperar, e espero que você se aquiete um pouquinho com ele, ok? *-*

    vi uma imagem dessa "sou sua pessoa amada por tr~es dias" ontem no facebook de alguém. tem um 'projeto' muito massa, gabs, com frases assim. vou até deixar o link aqui: http://karinarabinovitz.blogspot.com/2011/08/poesia-atravessada.html

    e o texto... "Aqui no cantinho, sem querer parecer prepotente, mas eu sinto muito orgulho de me achar corajosa. Porque eu me entrego sem esperar que dê errado" acho que estou precisando pensar dessa forma.

    beijos, gatãn!

    ResponderExcluir
  8. Gostei do seu texto, tão verdadeiro. Todo mundo já passou por isso e saber que não está sozinho dá um certo conforto. Amei mesmo, estou te seguindo. BEIJOS XD

    ResponderExcluir
  9. Atualmente, não tenho esperança. O que é bom. Não ter esperança consiste em correr atrás de nossos sonhos. Vale à pena, amis do que tudo. Ninguém espera que sejamos felizes. Temos que buscar essa felicidade. Abraços. (lindo visu o daqui)

    ResponderExcluir
  10. "Desapego, use sem moderação". Adorei.

    ResponderExcluir
  11. Vale se identificar ou vai parecer clichê demais? Porque essa inconstância é minha companheira fiel, mas eu agradeço muito por ela existir. "Provavelmente vai dar errado mesmo, mas vai passar. Me permito a verdadeira liberdade de viver agora porque o minuto seguinte, esse que vem, brilha tanto que não permite enxergar nada." Sempre dá errado, ou melhor, vem dando errado até agora. E se não fosse por essa inconstância, a ferida doeria por tempo demais.
    Já te falei que adoro seu blog, agora vou falar que adorei esse texto. E pode ficar toda boba porque é verdade! rsrs
    Beijo, Foooour! :*

    ResponderExcluir
  12. Tem horas que é preciso encarar. Certos encantos só surgem na coragem de seguir em frente. O desapego é bom em frações da vida, mas é justamente em ter que o ser se faz. Ser só é ser quando tem. É claro que o desprendimento deve existir, como uma válvula de escape. O ser não pode se prender no ter, mas pode ter sem deixar de ser.

    Coragem às vezes é ter, mesmo sabendo da dor em tê-lo. Mas acreditando na beleza adiante.

    A vida joga esperanças pelo ar. E só cabe a nós absorver esta essência que nos impulsiona...

    A felicidade está à espreita menina bonita.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Nossa, Gabi. Como admiro os seus escritos! =)
    Eu tenho uma facilidade enorme de desapaixonar e desapegar.
    Talvez seja porque meu orgulho é enorme (e veja bem, ironicamente, não me orgulho nem um pouco disso).
    A minha dificuldade mesmo é em me apaixonar.
    Sou sempre do contra. *rs

    Beijo, querida.

    ResponderExcluir
  14. é natural se sentir desse jeito. só quem já amou e sofreu pode se sentir desse jeito (ou seja, quase todos).como se livrar desse medo? não caindo no buraco? acho que não...mas, sendo cautelosa [é o que eu faço]

    Leia os post's do meus novos "contratados":
    [Wyllds] Arte Com Monstros - John Kenn: http://emyhouse.blogspot.com/2011/11/arte-com-monstros-john-kenn.html
    [Walther] Desenho Da Madrugada:http://emyhouse.blogspot.com/2011/11/desenho-da-madrugada.html

    ResponderExcluir
  15. Desapego é isso, algo que tricou num cristal, algo necessário, quantas vezes for preciso para pô em ordem nossa vida. No momento estou passando por este desapego na amizade e é exatamente como vc descreveu lindamente. Amei seu texto. Bejosssss.

    ResponderExcluir
  16. Adorei teus textos :3 detalhados e diretos. Coloquei o "187 tons de frio" nos favoritos do meu blog, se quiser dar uma olhadinha http://thehardestisgoaway.blogspot.com/ fique a vontade :D

    ResponderExcluir
  17. É difícil se desapegar, mas com o tempo a gente vai se acostumando e vira parte da nossa rotina. Adorei o blog !

    Bjs
    http://maviealeatoire.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  18. Gostei muito de seus textos, tem um blog com belas obras, estou seguindo.
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  19. Desapego, já o pratiquei bastante e ainda pratico.
    Não desapego só de pessoas mas também de coisas, de músicas, de filmes... Parece abrir portas para algo novo entrar quando praticamos o desapego, ele da espaço para as surpresas da vida.
    Adorei o texto, bjs ;*

    ResponderExcluir
  20. tá lindão esse canto aqui, ó.

    gostí!

    ResponderExcluir
  21. hAha.

    menina, desta vez vc começou e terminou. foi até o fim.

    eu adorei.

    xero, pernambucana!!!
    ;DDD

    ResponderExcluir
  22. "Procura-se as borboletas do meu estômago. Paga-se recompensa." > Adorei isso como cartaz. Posso fazer um? rs.

    Bom, acho válida essa coisa de desapego, de não se prender pra podermos (nos) aproveitar. Mas às vezes acho que isso não é sinônimo de solidão ou sofrimento. Não deveria, né? :)

    ResponderExcluir
  23. o amor é superestimado, exceto quando você está envolvido com ele.

    ResponderExcluir
  24. Eu já soube que ia acabar e mesmo assim fiquei surpresa com o fim. Ser humano, bicho estranho.

    Mas como ando uma bichinha apaixonada até os fios de cabelo, não sei muito bem pensar em desapego.

    Porém, sei que é preciso as vezes. Não faz bem ficar esperando quem não vem.

    E o texto? Como sempre, me engoliu.
    Um Beijo

    ResponderExcluir
  25. Eu costumo fazer as coisas sem pensar, mas não é por coragem, é impulso mesmo. Eu enfrento o que vier, mas eu tenho medo. Acho que não tenho essa grande qualidade (pelo menos eu acho que é uma grande qualidade) do desapego. Mas ainda assim eu acredito que o que tiver que ser, será, e eu vou sobreviver, porque é a única opção, certo?

    Beijos~

    ResponderExcluir
  26. Amar um dia sim ou outro não como se fosse uma atividade física que temos preguiça de manter o rítmo e ai nos perguntamos ' por que uns conseguem sempre e nós é um dia sim e outro não?' Já me fiz essas pergunta tantas vezes, maldita seja essa tal 'instabilidade'...
    Mas a verdade é que não da pra usar lupa pra tudo nessa vida, não da pra se apegar e estudar cada detalhe, assim a neurose chega e ai já vio tudo né?

    Bjs!

    ResponderExcluir
  27. Eu sou extremamente fácil de me desapegar...até odeio isso um pouco, mas por vezes gosto, porque, afinal, não acabo sofrendo sempre que alguém "parte" da minha vida...
    Mas o amor, sei lá, anda me 'visitando' pouco. Anda se esquivando de mim, talvez porque cansei de esperar/procurar, tô deixando apenas ser.
    Gostei demais do seu texto. Talvez até demore de ver esse meu comentário... mas, honestamente, desejo-te felicidade. Extrema felicidade.

    ResponderExcluir

♥ Você pode comentar usando apenas seu Nome e Url: selecione a opção no menu suspenso "comentar como".

♥ Alguns comentários podem não ser aceitos, dependendo do cunho da mensagem. Seja gentil na blogosfera.

Obrigada por comentar. Sua visita e opinião são importantes para mim.
Volte sempre!

 
© 2009 - 2016 . todos os direitos reservados