um blog de inspirações e expirações

30.6.11

B movie scene

daqui

Esta historia poderia começar de muitas formas, mas acredito que a maioria não seria verdadeira. As pessoas tendem às mentiras quando as coisas fluem meio complicadas. Talvez seja uma fuga, ou uma proteção, porque nós nunca sabemos como certas pessoas funcionam.

Como diabos alguém pode ser tão destrutivo conscientemente, mas inerte diante do fato? Ela era assim: sabia que era uma pessoa errada, mas não tinha controle. Descontrolada, sim, essa é a palavra que se usa para designar esses seres humanos desgovernados. Nem trens assim são tão perigosos. E acho que ela não dava a mínima também. Ela nunca ligava. Quando ficava louca em algum beco imundo tarde da noite. Quando rabiscava paredes com ilusões distorcidas. Quando mentia e me fazia feliz. Talvez eu fosse o maluco aqui. O doente. Perdi os números, foram tantas vezes, perdi os números. Mas eu gostava tanto. Sem sombra de dúvidas, eu era o maluco dessa historia. Alguém precisa tomar conta de nós dois. Você não podia, você era a louca declarada, a mulher das ruas noturnas, dos sons sussurrados. Só nos sobrava que eu fosse o adulto. Eu deveria ser o adulto, não a criança embalada pela canção de ninar, não a criança apaixonada pela vitrine de doces coloridos. É, eu também não podia cuidar de nós. Eu era facilmente influenciado por esse amor estranho tão disfarçado, tão derramado. Desde sempre fomos guiados ao fracasso, o velho amigo. Mas como perceber que não dará certo? Que não vingará, como uma plantinha que começou tão verde, tão forte apesar de pequena, mas que minguou por falta de água. Foi água que nos faltou? Foi água que nos faltou. Foi oxigênio, foi a luz do sol. Foi qualquer coisa que nos faltou. Sempre faltaria: nós éramos incompletos e não nos completávamos. Mas ao início sempre jogam flores. Nós éramos flores. Tínhamos esse amor-flores. E sabemos, flores murcham. Flores morrem.

Acho que fomos felizes, mas só enquanto a tinta das paredes não descascou.

20 comentários:

  1. E depois que morrem, não adianta tentar regar.
    Gostei da imagem do inicio.
    " Esta historia poderia começar de muitas formas, mas acredito que a maioria não seria verdadeira. As pessoas tendem às mentiras quando as coisas fluem meio complicadas. Talvez seja uma fuga, ou uma proteção, porque nós nunca sabemos como certas pessoas funcionam. " gostei muito disso, pois é assim mesmo, tentamos conmeçar de forma bonita para nos convencer que não foi tão feio.

    ResponderExcluir
  2. Tinha me esquecido como era vir aqui e ler-te.
    Gostei de cara do nome do blog e aprendi a gostar de todo o resto.

    :)

    "Nós éramos flores. Tínhamos esse amor-flores. E sabemos, flores murcham. Flores morrem."

    Que dor doce.

    ResponderExcluir
  3. Oii, vim saber se tem twitter !!!

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Gostei muito da tua escrita :D tuas letrinhas me encantaram!
    beeijo

    ResponderExcluir
  7. Que sejam loucos, que sejam infantis, mas que sejam amantes. Loucura, por vezes, se cura. Crianças, por vezes, crescem. Amor, quase nunca, acaba.

    :)

    ResponderExcluir
  8. "Acho que fomos felizes, mas só enquanto a tinta das paredes não descascou."
    Esses amores relâmpagos! Quando isso acontece a gente acaba se sentindo usado, não? o coração fica tão apertadinho, tão miudinho!!! Vamos deixar as paredes sem tintas, assim elas não descascam!! Bjos Gaabi!

    ResponderExcluir
  9. Nossa... gostei muito! Me tocou esse seu texto. Me lembrou um relacionamento que já tive... "Nós éramos incompletos e não nos completávamos". Adorei! Te espero no Biacentrismo! Beijo

    http://biacentrismo.blogspot.com/ @immabeea

    ResponderExcluir
  10. "... nós éramos incompletos e não nos completávamos."
    As vezes as coisas não dão certo por isso ;/

    ResponderExcluir
  11. fofinho, triste e cheio de verdade, mas ainda assim fofinho.
    histórias de amor que acontecem, e não acabam de um jeito feliz, mas que merecem ser contadas <3

    se cuida :*

    ResponderExcluir
  12. ai meu deus que lindo me dá quero pra miiiiim *-*

    ResponderExcluir
  13. ooooh, que coisa mais doce. tem casal que é assim, incompleto; parece que o que se juntou não se basta. às vezes, com persistencia, algumas raízes nascem mesmo no chão seco. às vezes duram, às vezes não. mas nada impede de ser assim bonito, independente do tempo que vivem (:

    ResponderExcluir
  14. O egoísmo mata...o pior é procurar outra metade. Sendo inteiros talvez tenhamos uma chance.

    Abraço

    ResponderExcluir
  15. Não há como saber se não viver. Uma coisa apenas pode dar certo se a seguirmos com perseverança. Acabar é uma das possibilidades, da mesma forma como chamas de velas. É difícil mantê-la acesa. É uma tarefa das mais difíceis e sábias.

    O importante nessas horas é entender que vivemos, sentimos, amamos. Passar pela vida sem ter sentido ou amado não seria vida...

    Beijo doce!

    ResponderExcluir
  16. Oii . estou te seguindo já.
    Me segue la depois tbm,se gostar do blog *-* né??? @camilacolossi

    bjoos

    ResponderExcluir
  17. e serão felizes até que as lembranças partem :)

    beijas, paçoca :*
    s2

    ResponderExcluir
  18. a mentira nos protege da possibilidade de magoar alguém. mas não adianta, acaba machucando do mesmo jeito.


    bjsmeus

    ResponderExcluir
  19. Verdadeiro, original como tudo que escreves. (:

    ResponderExcluir
  20. Nossa, amei demais. Consegue ir profundo com o simples. Tocar quem não pode sentir sua história nas linhas, mas mesmo assim, compartilha o sentimento. *-* Parabéns

    ResponderExcluir

♥ Você pode comentar usando apenas seu Nome e Url: selecione a opção no menu suspenso "comentar como".

♥ Alguns comentários podem não ser aceitos, dependendo do cunho da mensagem. Seja gentil na blogosfera.

Obrigada por comentar. Sua visita e opinião são importantes para mim.
Volte sempre!

 
© 2009 - 2016 . todos os direitos reservados