um blog de inspirações e expirações

23.12.10

as flores do canteiro esquerdo

Murcharam da noite para o dia. Fato que, confesso, me espantou. Nunca fui muito de observar essas coisas da natureza, nunca gostei de planta, terra. Nem de flor. Mas não sei por qual razão isso mudou de repente. Falei com Amélia. Ela me olhou com cara de cartomante por alguns minutos, sem dizer nada. É nesses momentos que me dá muito medo e muita raiva dela. Fica me analisando com olhos de sabedoria mais antiga que a própria Terra. De cartomante, pois. Dá raiva porque nunca gostei de cartomantes. Até a simples palavra soa falcatrua.

O tempo em que Amélia ficou calada me olhando... Eu acho que ela só não sabia mesmo o que dizer e estava pensando numa resposta. Finalmente ela falou, disse que não murcharam da noite para o dia, que já vinham murchando há muito porque andava fazendo um calor e ninguém tinha tempo para regar plantinhas desimportantes. Doeu em mim o desimportantes. Mas os olhos de Amélia eram fortes e me obrigaram a pensar em outros assuntos. Levantei e fui olhar as janelas. Digo, fui olhar o lado de fora da janela, o céu, a rua cheia de barulho e buzinas lá em baixo. Anoitecia devagar e algumas luzes preguiçosas ainda não tinham sido acesas. Voltei a pensar nas florzinhas murchas. Pensei que murcharam com medo da solidão nessa cidade tão grande de luzes que se acendiam lerdas. A solidão é maior conforme maior for o número de habitantes. Antes de vir para cá, eu tinha medo de que isso fosse verdade – que isso da solidão..., era uma solidão para cada habitante. Acho que eu era só um sonhador.

Depois que vim, acostumei com a correria, o calor debaixo das gravatas, com a rotina do trabalho. Fiquei alheio. E só hoje percebi isso. Agora me ocorre que as florzinhas do canteiro esquerdo morreram numa espécie de sacrifício moderno e muito sutil. Para que eu as percebesse, ou a ausência delas. Os finos e verdes e pequenos caules tortos apontando para baixo, algumas sem folhas, as pétalas de cabeça baixa, olhavam para a terra. Pareciam derrotadas, mas talvez seja um jeito novo que alcançar a vitória. Sabe assim? Penso que para elas, as florzinhas, foi uma vitória terem aberto meus olhos para essas coisas simples. Sei que são tão sábias quanto os olhos de cartomante de Amélia. Espero que estejam felizes onde quer que estejam... Será que existe algum Céu das Florzinhas? Espero verdadeiramente que sim.

Carregando a minha feliz descoberta, saí de perto da janela, peguei um casaco e fui comprar novas mudas de florzinhas para plantar no canteiro esquerdo.

O selo que recebi e repassei está aqui (postagem anterior).

28 comentários:

  1. ganhei um selo *-*
    que lindo amooooora *-----*

    vou posta-lo em breve :D
    obrigada
    beeeeeeeeeijos

    ResponderExcluir
  2. Sensacional a forma com que você aborta a morte das flores no texto. Muito, muito boa mesmo.

    Parabéns!

    E fiquei aqui pensando que faz sentido. Até porque, se elas não morressem, continuariam ali para quase sempre.

    Sem nunca serem notadas...

    Beeeijo.
    E feliz natal antecipado!

    ResponderExcluir
  3. Esse teu jeitinho tão doce de dizer sem querer dessas coisas de solidão... vai ver é isso... melhor lembrei " as flores de plástico não morrem".

    PS: eu tô com minha mente vazia, nada de textos por enquanto... ah essa correria de festas Natalinas....


    beijo maior do mundo!! adoro vc menina/anja

    ResponderExcluir
  4. Adorei como voce escreve, belo texto !

    ResponderExcluir
  5. viajei tanto que nem sei direito o que dizer.

    LINDO serve? rs

    ResponderExcluir
  6. Eu li^^. E fiquei pensando na vida que as pessoas levam hoje. Nisso que chamam de "vida moderna", onde se perdem os valores, onde as pequenas coisas passam a ser só isso "pequenas coisas". Onde um canteiro de flores só é notado quando estas morrem. Foi como se o homem da história, dissesse:"Ah,elas estavam aí? Nem havia notado".
    --------------------------------
    Obrigada pelo selo. Irei repassar em breve (acho). Recebo e só faço agradecer, na maior parte das vezes^^...Acabo esquecendo de passar adiante...Mas,é que, sigo tantos blos que acho até meio injusto nomear só alguns...
    ----------------------------
    Leia o resto da história: http://emyhouse.blogspot.com/2010/12/ferias-interrompidas-4-parte.html

    ResponderExcluir
  7. Tadinhas! =~~
    Não sóa s florzinhas passam despercebidas, mas tudo o que é rotineiro.
    É triste, a gente corre tanto durante a vida toda que quando vai se dá conta de que as coisas estão passando pode ser tarde. Pode até já ter muchado. Vai saber...

    Eu acredito q exista um céu sim. Não só das florzinhas, mas d tudo aquilo q foi belo e q mesmo acabando deixa uma certa magia.

    Gabizoca, valeu pelo selo, já postei!
    ;*****

    ResponderExcluir
  8. Plante novas mudinhas todos os dias, mas jamais esqueça das que se foram, nem menospreze as que não vingarem.
    Obrigada pelo comentário no blog, mas não me compare ao Caio Fernando (quem derá).
    Beijos, Feliz Natal.

    ResponderExcluir
  9. E sobre seu comentário no meu Blog, de certa forma ele foi expulso de casa, sabe? Hahaha

    Voltarei mais vezes =)

    Beijo

    ResponderExcluir
  10. Tomara que exista algum "Céu das Florzinhas", elas merecem.

    Lindo post, de verdade.
    E viva às coisas simples da vida, que na maioria das vezes passam despercebidas pelos nossos olhos.

    Feliz Natal.

    ResponderExcluir
  11. tinha que ser voce pra escrever coisas tao belas e criativas.
    everrrr.
    beijos =*

    ResponderExcluir
  12. QUE LIIIIIIIIIIIINDO! É errado dizer que me apaixonei? *-* A começar pelo título, claro. Tem algo de inocente, sonhador, bonito nesse texto...

    "Será que existe algum Céu das Florzinhas? Espero verdadeiramente que sim."

    Adorei. Meus parabéns. Lindo demais! Seguindo aqui, até *-* E um feliz natal e um ótimo ano novo <3

    ResponderExcluir
  13. Várias coisas pra dizer, mas priorizei duas:

    - Sinto-me culpado quando vejo pessoas admirando flores e formações de nuvem. Não me sinto atraído por essas manifestações naturais. Seu texto conectou.
    Tenho "medo" do mar,,, esse sim me impressiona.

    - Sua escrita amadureceu tanto. Puta orgulho de te ler há mais de 2 anos, rs. Mas prometo não lembrar do "all star azul". A inconstância é a mesma, mas as ferramentas pra exibí-las são "outros 500". Muito bom mesmo!


    Ah, 3 coisas :D

    - Feliz 2011! Obrigado por alimentar nossa blogamizade nesse "longo" ano o/

    Bjs e reveladoras invenções!

    ResponderExcluir
  14. Moça, que sensibilidade do CARAI! [perdoe o palavrao]

    É um texto simples ao mesmo tempo profundo. Pelo significado terno, o sacrifio das florzinhas a fim de chamar atenção aponta pra algo maior que voce falou com tanta sutileza e sensibilidade, "sabe assim"?. Quantas vezes deixamos de "reparar" em quem está sempre conosco, seja amigos, amores ou familia, esses que se encaixam na nossa rotina de uma forma tão acomodada que acabam passando despercebido. Ainda bem [mesmo que triste], a ausencia no texto [belo, por sinal] foi das florzinhas.

    beijo, moça Gabs.

    ResponderExcluir
  15. Pq se não tivesse o gabizoca em plena postagem não teria graça nenhuma!
    auhau
    <3

    feliz natal!
    ;*

    ResponderExcluir
  16. As vezes a gente não repara em coisas que estão ali no nosso nariz e de repente quando elas somem a gente sente falta e nem sabe o por quê. Lindo TTexto. Feliz natal!

    ResponderExcluir
  17. Gabiis, comofaz pra pegar os selos? nossa, sou mó lerdeza pra essas coisas! suahsuhaus

    ps. feliz natal, minha flor!
    tdo de bom pra vc.
    te adoro demais

    =**

    ResponderExcluir
  18. vc escreveu uma linda fábula e sutilmente imprimiu uma lida mensagem de natal: cortesia para com as plantinhas!

    Beijão
    Felicidades

    ResponderExcluir
  19. Plantas são seres interessantes, elas podem te dizer muita coisa, mesmo em total silêncio. Tenho um cactus de estimação, aliás (:

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  20. é lindo como vc fala da solidão. é tão lindo que chega amenizar minha angústia.

    Escreva sempre!

    ah, muitíssimo obrigado pelo selo. postarei em breve!

    beijos,

    ResponderExcluir
  21. Um Reino pras florzinhas, pobrezinhas! Texto muito lindo =) que dá brecha pra muitas metáforas, o que eu adoro haha

    Boas festas ^^

    ResponderExcluir
  22. Que bonito!
    Seria bom se todos percebessem a mensagem das florzinhas que vivem morrendo por aí graças a correria que torna as coisas simples 'desimportantes'. Tomara que as novas mudinhas sobrevivam! ^^

    ResponderExcluir
  23. QUEEE LINDO, ameei demais seu texto.

    ResponderExcluir
  24. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  25. Adorei o texto. Bem construído, com detalhes que só quem participa ativamente do que ocorreu compreende. E que tu muito bem coloca para a nossa compreensão. Muita coisa (viva ou não) morre em prol do que acredita. Sentimentos também, eu acho.
    Beijos, guria!

    ResponderExcluir

♥ Você pode comentar usando apenas seu Nome e Url: selecione a opção no menu suspenso "comentar como".

♥ Alguns comentários podem não ser aceitos, dependendo do cunho da mensagem. Seja gentil na blogosfera.

Obrigada por comentar. Sua visita e opinião são importantes para mim.
Volte sempre!

 
© 2009 - 2016 . todos os direitos reservados