um blog de inspirações e expirações

21.8.10

pra te falar num dia nublado

Eu quis te colocar no colo. Tolice. Agora vi que não precisa. Você não precisa. Sendo honesta confesso que quando me contaram, o mundo sumiu ao meu redor, mas que merda é essa? Me desesperei, puxei os cabelos, quase chorei. Menti que tinha chorado, mas não chorei: estou aprendendo a ser forte. Passei umas duas horas imaginando o mundo como ele é para você. Cheguei a um quarto lotado de discos empoeirados, – pra nostalgiar, embelezar do jeitosaudade, porque na realidade, isso não existiria para você - uma poltrona no canto perto da janela, uma cortina fraca, branca encardida, de gaze, prateleiras com badulaques qualquer, um instrumento de corda. E solidão. Aprendi da maneira mais feia que é disso que você gosta. Talvez eu esteja enganada, talvez você esteja enganado, talvez você esteja enganando. Não posso saber; você tem medo demais do mundo. Brincar de esconder, brincar de ficar calados, quietinhos, abaixados no canto do quarto, no escuro. A brincadeira preferida. Eu queria te puxar pro lado da cor, pro lado do arco-íris, eu sei que a névoa é bonita, eu também gosto, mas ela é triste, e tem dias que a gente precisa de um sorriso pra sacudir as lembranças mortas.

Houve dias em que tive vontade de oferecer posso te dar um abraço? Eu quero te dar um abraço. Forte e que demore. Pudera eu morar entre os teus braços, mas isso de amor a gente conversa depois; você anda precisando é de um amigo. Eu posso ser esse aí, se você deixar, não para sempre que sou ambiciosa demais para estagnar nesse cargo, mas por um tempo, uns dias só. Se você deixasse. Mas tua companheira é a solidão. Nunca te disseram, mas hoje eu te conto a história toda: ela é moça má, deixa a gente assim, distante, franzino, sujo de graxa. Multidões nos dão calos nos dedos dos pés e nas dobras do coração, mas fazem tão bem quando a gente tá amarrotado.

Eu tenho aqui uma lista de razões pra te fazer cantar, mas lançar mão delas seria desperdício. Inútil tentar convencer o que já é moldado. Entortar o que já é torto. Mas posso dizer sem receio de parecer desnecessária: o que mais sinto é medo. Independente de qualquer sentimento que possa haver em mim, o que sinto é medo. Um dia você pode sumir, sumir feliz, né?. Uma tristeza para nós, que ficaremos. Suma não, tá? Fique por aqui, mesmo longe, mesmo na borda, encostado às paredes, meio errado, desconfiado, mesmo assim, suma não. Que isso é nos morrer. Digo ‘nos’ porque não sou sozinha, sou plural, não sei se você já se deu conta... Mas você não está singular, você também está plural. Plural nosso.

Me contaram ontem. Um choque, um tapa na cara, mas passou logo. E agora, depois de uma noite densa, embora eu tenha sonhado, o sono foi turvo, e mesmo acordando cansada, sei que me desanuviou. Fiquei sabendo que eu não preciso ficar tão aflita, não com urgência. Que não era pra ontem, que o perigo ainda está vindo, ainda não chegou – assim espero. 
Complicado entender, né? Este texto é direcionado, mas nem ele entenderia, nem saberia que é para ele. Talvez só eu entenda o sentido. Talvez um amigo também entenda, mas não sei se ele vai ler isso. Enfim, eu ando mais auto-biográfica (reforma ortográfica?) do que de costume.

20 comentários:

  1. Olha não sei como explicar, mas ler seus textos a cada dia, é como ler o que eu não consigo exprimir em palavras... Esse por exemplo se encaixa perfeitamente em uma situação que vivi...

    Parabéns...

    Bjo!

    ResponderExcluir
  2. mais uma vez me perco nas suas doces palavras.

    amei o texto.
    um beijo e sucesso.

    ResponderExcluir
  3. O turbilhão de sentimentos as vezes nos pega de surpresa. Mil pensamentos passam por nossa mente. Do destino das coisas à implicação das escolhas.

    Cada escolha, precisa ser bem pensada...

    Mas não com urgência. Mas com calmaria.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Gabis, seus textos dão um afago bom no coração da gente que nem tem como explicar.
    vc eh tão talentosa que me enche de orgulho.

    toda alegria do mundo pra vc.

    :)

    ResponderExcluir
  5. Bah... teus textos são inspiradores =)
    Beijão

    ResponderExcluir
  6. Ai ai, florzinha.. Como explicar que eu entendo tudinho o que você quis dizer? Talvez nao entenda aí com suas razoes, seus sentimentos, mas coube direitinho no que se passa do lado de cá.

    ResponderExcluir
  7. Não há porquê ter explicação diante de coisas que só nos entendemos. É bom desabafar, flor. Por mais que seja pra você. A maneira como você expõe aqui já é de grande coragem :)

    ResponderExcluir
  8. Entendo, modéstia a parte, entendo perfeitamente bem. Toda essa falta de entendimento. Esse medo de sumiço. Passo por isso agora. Passo muito e sinto muito. É estranho, eu, fui tão afável, deixei com que ela sumisse.

    Mas acho que se você for abraçar, não peça. Abrace. É melhor.

    ResponderExcluir
  9. Olá
    Eu acho que entendi o que você quis dizer, o fato de a gente reparar nas pessoas ou na pessoal em especial, ver e sentir o que ela está pessando, saber do que ela precisa, sendo que, ela não quer ser ajudada ( muitas vezes é assim).

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Opa, temos um “ele” em comum? HUAHAUHA parece que sim, e parece muito! Talvez eu tenha entendido cada milímetro do sentimento que tem em cada uma dessas palavras. E que palavras!!

    Ah, sério que você pode me dar um layout? *-* *-* Eu aceito de peito aberto.
    Como procederá? Me adiciona no msn? Bjo bjo!

    ResponderExcluir
  11. É, vejo que tudo machuca... Até o que ainda está por vir.

    Te cuida flor
    ;*

    ResponderExcluir
  12. "Houve dias em que tive vontade de oferecer posso te dar um abraço? Eu quero te dar um abraço. Forte e que demore. Pudera eu morar entre os teus braços, mas isso de amor a gente conversa depois; você anda precisando é de um amigo." Queria que ele falasse isso pra mim. A gente até podia falar de amor agora, que eu não me importaria. Ando precisando dele, do abraço dele. Desculpa desabafar aqui. haha

    ResponderExcluir
  13. Pior que tem gente que não nasce pra ser dois... Acho triste, sabe? Ter uma outra metade é tão bom.

    Será que tua espera vale a pena?
    Sei lá... Acho que eu não tinha forças...

    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. A gente tem mais é que se inspirar na gente mesmo! Somos nossa melhor inspiração! curti!
    tá, nem entendi muito kkkkk acho que devia mostrar a "ele"!
    Beijoooo :*

    ResponderExcluir
  15. Mais um texto fantástico... adorei!!!

    'ELE' seria o 'MOÇO'?

    Haha.. ;)

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  16. faz bem escrever um pouco sobre os sentimentos mais profundos. deixa a alma um pouco mais leve (:
    e se for realmente pra "ele", irá entender. eles sempre entendem, mesmo que se finjam de desentendidos.
    se cuida ;*

    ResponderExcluir
  17. É assim mesmo, algumas coisas nem nós próprios entendemos, ainda que digam respeito ao nosso próprio mundo interior. Mas inspiração boa é essa; a que vem sem pedir licença, pronta pra expressar tudo o que tem de vir ao mundo.
    Me apaixonei pelo blog! Tudo muito bonito por aqui!
    Beijos!
    Seguindo!

    ResponderExcluir
  18. Lindo texto, me identifiquei demais com ele. Sério. Deu até um frio na barriga, vou guardar nos meus favoritos. Beijos

    ResponderExcluir

♥ Você pode comentar usando apenas seu Nome e Url: selecione a opção no menu suspenso "comentar como".

♥ Alguns comentários podem não ser aceitos, dependendo do cunho da mensagem. Seja gentil na blogosfera.

Obrigada por comentar. Sua visita e opinião são importantes para mim.
Volte sempre!

 
© 2009 - 2016 . todos os direitos reservados