um blog de inspirações e expirações

25.4.10

meu nome do meio

Vai ver o tempo é mesmo um devorador de coisas, porque os dias passam e eu vou me sentindo mais roída. Gradativamente. Não é bobagem, nem estupidez minha, é inconstância. Eu nasci uma adolescente de sessenta anos e envelhecendo, apesar de nem ter vinte. Isso deveria me assustar, mas veio um dedo de sabedoria no meu pacote de nascença, e não cabe desespero demais no meu eu. Só que... tem dias que eu estou mesmo jovenzinha e menininha e fútil e volátil e. Isso me assusta, porque ser outro todos os dias assusta qualquer valentão. Também tenho dias de rabujice, de preguiça, de maldade. Isso não me assusta, isso me frustra: sou apenas uma mortal. Daquelas reles. E vê que incrível: cheia de lombadas na personalidade. Ou depressões. Ou buracos. Meu eu é uma rodovia brasileira.

Não gosto de dançar, isso nos meus dias de eu habitual. Mas no sábado, ontem, dancei e cantei, me balancei no show do Jota Quest. E nem é minha banda favorita. Eu nem tenho uma banda favorita, vê que criatura estranha eu carrego dentro de mim.
Quase todos os dias eu sou careta, mas há dias que não. De certa forma fica fácil conviver comigo depois de um tempo, porque não existe mais a surpresa de ter uma surpresa a cada dia.  E eu, ingenuamente, me envergonhava de tantas mudanças. Isso não me assusta, não mais. Porque me convenci de que tenho uma brilhante personalidade desmontável. E montável. E desmontável. E montável. Eu posso ser o que eu quiser. Não tenho moldes fixos, nem formas. Sou maleável. Como os metais. Vês também como sou forte? Sou metal. Será que são muitos os fortes dobráveis não quebráveis como eu?

Eu diria eu me amo, se não fosse tão clichê. E tem dias que não estou para clichês. São desbotados, e eu tenho manhãs de arco-íris. Porém, esses também mudam. Também gosto dos dias cinzas. Isso não me assusta. Todo mundo devia ter espaço pra ser monocromático quando quisesse sem precisar jogar fora os esmaltes coloridos. (...) E sou tão chata que há dias em que não quero nada. Meus dias-limão. Isso me assusta, porque sou humana um metro e sessenta e um dos meus um metro e sessenta. (...) Nunca quis ser super-herói, mas nutro uma porção de carinho pelo Batman. Ele poderia ser meu morcego encantado. Também tenho meus dias de carência, e fico pendendo entre Bruce Wayne e Edward Cullen. E entre eles, pendem todos os homens humanos semi-deuses. Isso me assusta, mas não deveria, porque querer ter a quem amar não é lombada na personalidade de ninguém.
E por falar nisso, aqui na minha cidade, lombada se chama quebra-molas.

21 comentários:

  1. gostei... parece que me descreveu em algumas das suas linhas...
    cinza? Também tenho meus dias... e toda essa confusão me invade o peito de repente. Confesso que ainda tento me conhecer mais... alguns dias mostro-me uma pessoa de face nova.

    BjOs.
    boa semana.

    ResponderExcluir
  2. " Só que... tem dias que eu estou mesmo jovenzinha e menininha e fútil e volátil e"
    Adorei como vc escreve, irei te seguir.
    Parece que vc estava me descrevendo hehehe

    ResponderExcluir
  3. Nós somos fortes dobráveis não quebráveis!

    Isso cabe perfeitamente bem no quem sou eu do orkut ;)


    Beeijo
    :*

    ResponderExcluir
  4. "São desbotados, e eu tenho manhãs de arco-íris."

    Gosto tanto das tuas cores, das tuas linhas e entrelinhas *-*'

    ResponderExcluir
  5. Faz tempo que gosto do que vc escreve e de como escreve...

    E perceber-se, reconhecer-se, aturar-se, é trabalhoso, é doloroso, é horrível e é maravilhoso.

    A arte de viver consigo mesmo. O desafio.

    Amor e ódio o tempo todo..

    Entendo bem qualquer metamorfose ambulante, tb sou assim.

    Me faltam são limites, apesar de ser em parte tão limitada..

    mas enfim..

    beijos!

    ResponderExcluir
  6. "Meus dias-limão. Isso me assusta, porque sou humana um metro e sessenta e um dos meus um metro e sessenta. (...)"


    O mesmo azedume torna o limão bem doce...

    me vi em várias linhas!!

    beijo pra vc!!!

    ResponderExcluir
  7. As vezes precisamos dançar mesmo não sabendo, precisamos amar mesmo estando errados, precisamos confiar mais mesmo estando fracos.


    adorei seu blog :}
    adorei as cores! um beijo.

    ResponderExcluir
  8. preciso dizer que mesmo sendo assim 'estranha' eu continuo gostando docê, doce?! (:

    beijas metal nobre :*

    ResponderExcluir
  9. 'vê que criatura estranha eu carrego dentro de mim'.
    De perto todo mundo carrega um ser assim, cheio de peculiarides. Adorei a sinceridade do post.

    Lindo texto!
    ;*

    ResponderExcluir
  10. realmente amo como vc escreve *-* realmente vc me fez pensar em uma coisa que sempre penso nos dias de chuva. temos dias e dias. é dificil nos definir, afinal nossa personalidade é inconstante :*

    ResponderExcluir
  11. Por que seu blog tem esse nome estranho agora? Gostei, vc botou uma paradinha de chat, como faz isso??
    bjs

    ResponderExcluir
  12. Adoro aqui *-*
    Deixei selinho pra você lá no meu blog.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  13. Que texto refrescante. Achei legal ler isso tudo. Coisas tão paradoxais Às vezes né. Saber de tu foi interessante. Você é você desse jeito que tu falou. Acho que confrontamos todo dia a nossa personalidade com as adversidades do mundo. tudo nos molda de alguma maneira. E isso nos faz responder à cada detalhe. E essa particularidade é que faz a nossa essência.

    Gostei muito desse teu texto.
    =)

    Beijos.
    Se cuida.

    ResponderExcluir
  14. Eu gostei tanto do texto, que palavras não expressariam o que se passa por aqui, rs. Você foi autêntica e você.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  15. Ah, que saudade dos seus textos, moça bonita! Eu não me vejo como uma pessoa muito maleável em certos sentidos, mas em outras acho sempre digno evoluir.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  16. Gabriela você escreve demais. Logo, logo li esta página toda. Vontade de ficar lendo e lendo.

    Sua escrita flui.

    Vim através do blog de Geraldo Barros.

    bjs

    ResponderExcluir
  17. E olha que nossa personalidade não chega nem perto de ser fácil de se arrumar que nem uma rodovia, ou uma lombada.
    Muito bom o texto!
    E eu também sou forte, dobrável e não quebrável. hahaha Adorei a expressão.

    ResponderExcluir
  18. Esse é o dia do meu aniversário

    ResponderExcluir
  19. Muito bom texto. Parabéns.
    Vou acompanhar.

    ResponderExcluir
  20. O seu blog é fantástico... adoro sua maneira de escrever!! *-*

    ResponderExcluir

♥ Você pode comentar usando apenas seu Nome e Url: selecione a opção no menu suspenso "comentar como".

♥ Alguns comentários podem não ser aceitos, dependendo do cunho da mensagem. Seja gentil na blogosfera.

Obrigada por comentar. Sua visita e opinião são importantes para mim.
Volte sempre!

 
© 2009 - 2016 . todos os direitos reservados