um blog de inspirações e expirações

3.11.09

No meu peito eu guardo confusão

Eu não sei o que vai acontecer com a gente, depois de domingo... Está tudo bem? Não sei ao certo. No meu peito eu guardo confusão. Queria entender o que foi aquilo, o que eu fiz de errado, ou se o erro foi só seu. Talvez o erro não tenha sido de ninguém, talvez nós precisassemos mesmo disso. Pra acrescentar? Pra nos ajudar a saber o que vivemos ao lado do outro? Não reconheço meus sentimentos... E eu que achei, desde o segundo dia, que você seria aquele cara que me esperaria no altar...   

( ainda dá tempo, ainda te dou tempo... )

 Mas como saber o que se passa dentro de você? Seus sentimentos, pensamentos, suas vontades. Não quero que acabe agora: ainda é cedo, dividimos pouco tempo, ocupamos pouco espaço um do outro, sabemos pouca coisa um do outro, coisas que só se mostram com o tempo. Esse mesmo que agora me deixa com dúvidas: será que ainda está no plural? Nós ainda somos um plural?

E como vou explicar esse estrago que você fez aqui dentro em tão pouco tempo, tão pouca conversa, tão pouca vida respirando o mesmo ar? Queria saber se te contaram que tua indiferença (foi mesmo indiferença? acho que não, mas não soube outra palavra pra dizer que se fechar  num silêncio que esquece o mundo batendo lá fora é  uma atitude tão você) me fez chorar. Não te culpo por nada: não foi você, não fui eu, mas também não sei te dizer o que foi. Tem momentos que a vida foge das nossas mãos. Foi só raiva ali na hora. Tão grande que não pude empurrar lá pro fundo de mim e esconder de todos aqueles olhos que sentiam seiláoque de mim. Mas a raiva passou, e lá fui eu, me humilhar por nós dois, deixar pra lá esse silêncio que existe em mim e em você. Pedi um sorriso, mas você negou:  não vou fingir um sorriso pra você.  Mas o abraço você me deu, e me deixou mais confusa.

Como é que eu (sobre)vivo essa semana inteira sem saber se ainda somos um?

10 comentários:

  1. Eu acho que não deveria ter lido isso, não hoje. Triste. Confusão em mim também :'(

    ResponderExcluir
  2. shuahsuahsua
    super adorei o textinho! ;D
    uma "mierda" isso de saber se é melhor deixar no plural ou sempre no singular mesmo!!
    beijoo :*

    ResponderExcluir
  3. Eu sobrevivi sete longos meses.
    Até que descobri que o plural só existiu dentro de mim.
    Doeu, flor. Mas eu tô aqui.


    Beijo, bonita.
    ;*

    ResponderExcluir
  4. sobreviva com vc mesma. só vc pode se completar.
    bom, no meu caso sobrevivi com cigarro e amigos! e claro, comigo mesmo

    ResponderExcluir
  5. Eu não sei como, mas você sobrevive.
    Todo mundo sobrevive a isso um dia...


    (Eu sei que meu layout tá sem gracinha :( mas um dia que eu estiver com bem disposição eu melhoro ele - espero. Dá tanto trabalho... u.u)

    ResponderExcluir
  6. No ínicio o não saber é comum,oproblema é quando já se passou muito tempo. A confusão acaba transformando dois em um, ou vice e versa.:)

    ResponderExcluir
  7. Depois vc diz o q aconteceuuu!
    Pelo amor de Deus!
    Bjos :)

    ResponderExcluir
  8. Sobrevive nos soluços, mas sobrevive.
    acho que também tenho tido dificuldade pra conjulgar verbos, com mais frequencia do que eu queria.

    beijo no coração.

    ResponderExcluir
  9. A gente sempre acha que 'esse cara vai ser o que me esperará no altar...
    A gente muitas vezes se engana!

    ResponderExcluir
  10. soube expressar em palavras muito bem os sentimentos sem nome, sem explicação...

    ResponderExcluir

♥ Você pode comentar usando apenas seu Nome e Url: selecione a opção no menu suspenso "comentar como".

♥ Alguns comentários podem não ser aceitos, dependendo do cunho da mensagem. Seja gentil na blogosfera.

Obrigada por comentar. Sua visita e opinião são importantes para mim.
Volte sempre!

 
© 2009 - 2016 . todos os direitos reservados